Selecciona una palabra y presiona la tecla d para obtener su definición.
Abajo

Hispania

Volume 74, Number 3, September 1991

Imagen



[Indicaciones de paginación en nota.1]




The American Association of Teachers of Spanish and Portuguese, Inc.

  • President
    Nasario García (1991)
    New Mexico Highlands University
  • Vice-President
    Elvira García (1991)
    Univ. of Nebraska at Omaha
  • Executive Director
    James R. Chatham (1990)
    Mississippi State University
  • Editor of Hispania
    Theodore A. Sackett (1992)
    University of Southern California
  • Executive Council

  • (The current President,
    Vice President, Executive Director, Editor, and the three
    most recent past Presidents [indicated by
    asterisks] are members ex officio).
    • *Ruth L. Bennett (1993)
      Queens College, New York
    • *Richard B. Klein (1992)
      University of Mississippi
    • Carmen Chaves McCledon (1991)
      University of Georgia
    • Felipe Mercado (1991)
      Jericho H. S., Jericho, NY
    • Judith Park (1992)
      Niles Township H. S., Skokie, IL
    • Edra Staffieri (1993)
      North Central H. S., Indianapolis, IN
    • *Richard V. Teschner (1991)
      University of Texas, El Paso
    • Mirtha Toledo (1992)
      Valparaíso University
    • Ronald R. Young (1993)
      San Diego State University


HISPANIA, the official journal of the American Association of Teachers of Spanish and Portuguese, Inc., is published in the months of March, May, September, and December. Known office of publication: AATSP, Mississippi State University, P. O. Box 6349, Mississippi State, MS 39762-6349.

Second-class postage paid at Mississippi State, MS and at additional mailing offices. Publication number 246360.

Postmaster: Send address changes to Hispania, AATSP, Mississippi State University, P. O. Box 6349, Mississippi State, MS 39762-6349.

Subscription to Hispania is part of the membership in the American Association of Teachers of Spanish and Portuguese, Inc., $30.00 a year for individuals and $15.00 for students for a maximum of three years. Membership is open to all persons interested in Spanish or Portuguese. Library and institutional subscriptions are $30.00 a year. All subscriptions are due and payable in advance. Requests for sample copies should be addressed to the Executive Director of the Association, Professor James R. Chatham, Mississippi State University, Lee Hall 218, P. O. Box 6349, Mississippi State, MS 39762-6349.

Editorial communications and manuscripts for publication should be addressed to the Editor Professor Theodore A. Sackett, Department of Spanish and Portuguese, University of Southern California, Los Angeles, CA 90089-0358. See the Editorial Board page for our editorial policies.

Books for review should be addressed to the Book Review Editor Professor Janet Pérez, Associate Dean, Graduate School, Texas Tech University, Lubbock, TX 79409.

All communications regarding advertising are to be addressed to the Advertising Manager, Professor Ronald R. Young, Department of Spanish and Portuguese, San Diego, CA 92182. Instructions for preparation of camera-ready art and advertising rates may be acquired by writing Prof. Young.

The Executive Director should be notified promptly of all changes of address.




Hispania

  • Editor
    Theodore A. Sackett (1992)
    University of Southern California
  • Editor’s Advisory Council
    Donald W. Bleznick
    Editor, 1975-83
    University of Cincinnati
  • Robert G. Mead, Jr.
    Editor, 1957-62
    University of Connecticut
  • Seymour Menton
    Editor, 1963-65
    University of Calif., Irvine
  • Irving P. Rothberg
    Editor, 1996-74
    University of Massachusetts
  • Associate Editors
  • Carlos J. Alonso (1991)
    Emory University
  • José Ramón Araluce Cuenca (1992)
    University of Southern California
  • Daniel Balderston (1993)
    Tulane University
  • Douglas K. Benson (1993)
    Kansas State University
  • Harold L. Boudreau (1993)
    University of Massachusetts
  • Mary L. Daniel (1993)
    University of Wisconsin-Madison
  • Ned J. Davidson (1992)
    University of Utah
  • Roberto González Echevarría (1992)
    Yale University
  • Howard M. Fraser (1992)
    College of William and Mary
  • David T. Gies (1993)
    University of Virginia
  • Jorge Guitart (1991)
    SUNY, Buffalo
  • Ronald M. Harmon (1993)
    California State University-Fullerton
  • Lucille Kerr (1993)
    University of Southern California
  • Catherine Larson (1992)
    Indiana University
  • Mark D. Larsen (1992)
    Utah State University
  • Gladys C. Lipton (1992)
    University of Maryland-Baltimore County
  • Michael D. McGaha (1992)
    Pomona College
  • Robert A. Quinn (1992)
    Millsaps College
  • Gemma Roberts (1992)
    University of Miami
  • Teresa Bolet Rodríguez (1993)
    Northern Colorado University
  • Karen L. Smith (1992)
    University of Arizona
  • Richard D. Woods (1991)
    Trinity University
  • Book Review Editor
    Janet Pérez (1992)
    Texas Tech University
  • Assistant to the Editor
    Margarita E. Galarza (1992)
    University of Southern Calif.
  • Advertising Manager
    Ronald R. Young (1992)
    San Diego State University
  • Associate Editor for Electronic Publishing
  • Joseph A. Feustle, Jr. (1993)
    University of Toledo



Editorial Policy

Hispania (ISSN 0018-2133) publishes critical studies and occasional annotated bibliographies on the literatures and languages of Spain, Portugal and Latin America as well as papers concerned with the teaching of Spanish and Portuguese. Interdisciplinary and comparative papers will also he considered. Papers in literature and linguistics may employ a traditional approach or a more recent critical methodology. We do not publish such material as poetry, short stories, general essays, travel accounts and translations.

Articles, notes for the several Departments and book reviews (solicited by the book review editor) may be written in English, Spanish or Portuguese and should be of interest and value to the readers of Hispania. The first page of each Department provides information on the kinds of materials included therein and the name and address of the person in charge.

Only members of the Association may submit papers. In all cases, manuscripts must follow the MLA Style Manual (1985) Manuscripts submitted for consideration in the section on Language & Literature should be at least 12 pages long, excluding notes, and not more than 30 pages, including notes. Bibliographies must not exceed 80 double-spaced manuscript pages. Send the original together with a photocopy. Authors must include return postage in loose stamps or international reply coupon in the case of papers sent from abroad, and provide a self-addressed return envelope. All submissions will be reviewed by the Editorial Board with names of authors removed from the manuscripts.




Forthcoming in December 1991


Section 1

The God of Miguel de Unamuno

Armand F. Baker

Spinning Virgin Yarns: Narrative, Miracles, and Salvation in Gonzalo de Berceo's Milagros de Nuestra Señora

Mary Jane Kelley

Hacia una estética postnovísima: neoculturalismo, metapoesía e intimismo

Elena M. de Jongh

Redemption and Rebirth on a Safe Shore: The Holocaust in Contemporary Brazilian Fiction

Robert DiAntonio

Al filo del agua: Addressing Readership in Mexican Fiction

Carol Clark D'Lugo

Language as a Barrier to Communication Between the Classes in Rosario Castellanos's «La tregua» and José Revueltas's «El lenguaje de nadie»

Cynthia Duncan

Breaking the Rules: Transgression and Carnival in Últimas tardes con Teresa

Carolyn Morrow

La microhistoria y Cataluña en El carrer de les camèlies de Mercè Rodoreda

Gonzalo Navajas




Section 3

Contextualizing Pronunciation Exercises Through the Use of Fluency Squares

David C. Alley

Talking and Learning to Talk in the Spanish Conversation Course

Frank B. Brooks

Teaching the Expanding Canon: A Socio-Cultural Approach to Hispanic Literature by Women

Joan L. Brown

Priming the Pump: Preparation for a Composition in Pairs

Charlotte E. Gifford

Grammar in the First-Year Course: How Much is Enough?

Domenico Maceri

FLES* Programs for the Year 2000...

Gladys C. Lipton

The Internal Structure of Extended Turn-at-talk within an Academic Context: Native Graduate Spanish, Non-native Graduate Spanish, and Non-native Beginning Spanish Speaker Data

Christina Makara

Hispanic Folktales: A Fingerprint of History

Nadine McFadden

Sociolingüística del español-inglés en contacto entre adolescentes hispanos de Estados Unidos

Arnulfo G. Ramírez

Final Exams Without Fear

Kathy Lyn Slayton

Fórmulas de tratamiento de segunda persona singular en el español de Chile

Alfredo Torrejón

Theory and Practice for Spanish (Ir)regular Verbs

Joseph A. Wieczorek

Activating Student Background Knowledge in a Take Charge Approach to Foreign Language Reading

Dolly J. Young






Specifications for Electronic Submissions to Hispania

Beginning with the March 1991 issue, all material to be published in Hispania must be submitted to the Editor in electronic form, according to the following instructions. Authors may submit essays for consideration either on diskette or in paper form, but once the material is accepted, the final version must be submitted on diskette.

I. Authors of articles and section heads sending in material for publication should prepare submissions with one of the following word processing programs:

    1.) PC programs and versions

  • 1.1 WordPerfect (5.1, 5.0, 4.2)
  • 1.2 Microsoft Word (5.0, 4.0)
  • 1.3 Xy Write III Plus
  • 1.4 Nota Bene (3.0)

    2.) Macintosh programs and versions

  • 2.1 WordPerfect (1.0 through 2.0)
  • 2.2 Microsoft Word (3.0, 4.0)
  • 2.3 Mac Write (1.0 through 5.0) Mac Write II
  • 2.4 Write Now (1.0, 2.0)

You may use either 51/4 or 31/2 inch diskettes for PC and PC-compatible computers, and 31/2 inch Macintosh diskettes. Please send them in a protected special mailing envelope to the Hispania Editorial Office at USC.

II. Special Instructions

l.) When you send in your diskette in the special mailing envelope, be sure to put a label on the diskette with your complete name, the name of the file(s) which contain your essay, and the name of the word processing program and version used.

2.) For words in your text to appear in italics, use the underline function (as in conventional typescripts). For words in bold, use the actual bold function of your word processor.

3.) In the past, when you prepared a manuscript on a typewriter, you placed two spaces after periods and commas. Now, word processing and electronic publishing are largely based on proportionally spaced type and you should use only one space in your text after periods and other punctuation.

4.) For Nota Bene and other similar programs which hide the endnotes in a delta or behind a number, be sure to print out one copy before sending the material on diskette; this is necessary in order for the endnotes to appear electronically on the diskette you are submitting. Be sure to check to see that your endnotes and list of words cited actually appear on our diskette at the end of your essay.

5.) Do not put footnote numbers in parenthesis nor use periods after the footnote numbers.

6.) Do not use spaces with the spacebar to indent a paragraph. Instead, use TABS or the paragraph offset that is in all word processing programs.

7.) In creating columns, use TABS, do not use spaces with the spacebar.

8.) When you send us your article on diskette, please include a printed paper version of it as well, in case anything is lost in the electronic version.

III. Those members of AATSP who do not use a computer may submit a typescript as the final version, which can be converted by us to electronic form by the process of optical scanning. The typescript, however, must be perfect, and totally clear in order to be scanned successfully.




Special Luso-Brazilian Issue

September, 1991


Co-Editors: Theodore Alan Sackett, University of Southern California
Ronald M. Harmon, California State University-Fullerton


Hispania is pleased to devote virtually the entire September 1991 issue to Luso-Brazilian Studies, an area of interest to specialists in Portuguese, and to all AATSP members in general. Our purpose is to inform the membership of AATSP about the various fields of Portuguese Studies and the latest scholarly research taking place in those areas. In addition to the 24 articles in Section 1 (language and literature), readers will find material related to Luso-Brazilian Studies in most of the other regular sections of this number as well.

Our project began with an invitation to all AATSP members with an interest in Portuguese to offer proposals for essays. A special advisory committee was appointed by the Editor to assist in the selection of material submitted, and once the final selection was made, to provide editorial assistance. I want to offer my sincere appreciation to the advisory committee, without whose help this issue would not have been possible: Bobby J. Chamberlain (Chair), Mary Lou Daniel, Orlando R. Kelm, and Mary Vermette.

Finally, I extend sincere thanks to my co-Editor for this special issue, Ronald M. Harmon, Associate Editor of Hispania, who edited every component of this number and was chief proof-reader as well.

TAS





  —492→  

ArribaAbajo- 1 -

Special Issue Devoted to Luso-Brazilian Language, Literature, and Culture



ArribaAbajoArticles on Language and Literature


ArribaAbajoI. Portuguese Literature and Culture


ArribaAbajo A Questão da Identidade Nacional na Escrita Portuguesa Contemporânea
Onésimo Teotónio Almeida


Brown University


A redução de Portugal à sua dimensão europeia, após a descolonização, não provocou no país o trauma que seria de supor. Essa espécie de complexo de castração que afectou, por exemplo, a Espanha no final do século passado, teve, no caso português, repercussões bem mais suaves, ao menos vistas agora a mais de uma década e meia de distância. E, no entanto, Portugal viu repentinamente reduzida a sua potência à expressão mais simples -ao rectângulo mal aconchegado a um canto descaído da Europa, apenas respingado numa dúzia de ilhas adjacentes e com um esquecimento, que chega a ser souvenir doloroso às portas da China- Macau.

O crescente desencanto da panaceia que se esperou ser o 25 de Abril, e a perda de interesse que o resto do mundo acabou por revelar pelo que se gostava de ufanamente chamar a via original portuguesa, parece terem provocado um trauma maior.

Os escritores e intelectuais têm reflectido na sua escrita essa inquietação que, a nível nacional, é sobretudo inconsciente, e têm vindo a interrogar-se sobre o futuro de Portugal e o seu papel no mundo de hoje. Simultaneamente essa reflexão (e por vezes nos mesmos autores) incide sobre a especificidade da cultura portuguesa, a idiossincrasia do povo português, as dominantes da história nacional.

Estas reflexões surgem não apenas em forma académica (ou pelo menos, estritamente académica) compartimentadas em disciplinas com metodologia própria, mas também em ensaios, artigos de jornal, páginas de romances, poemas, e até mesmo no género tão português da polémica jornalística.


A. Balanço bibliográfico

Foi sobretudo no período compreendido entre 1976 e 1980 que essa obsessão se manifestou com maior veemência. Os títulos de alguns livros são, de per si, significativos.

Paradigmático parece ser o de um deles: Um Projecto para Portugal, do historiador Vitorino Magalhões Godinho. Com o título Repensar Portugal, surgiram três livros. Um de Manuel Antunes, com uma série de ensaios à volta do tema; outro, do historiador Victor de Sá; e o terceiro de Mário Baptista. «Repensar Portugal» é ainda o título de um artigo de Eduardo Lourenço, mas Repensar Portugal foi igualmente o tema dos dois colóquios realizados no Solar de Mateus, em que um grupo de escritores, artistas, ensaístas e até mesmo políticos apresentou comunicações mais ou menos directamente relacionadas com essa questão. De João Pereira Martins foi reeditado, com o acrescentamento de um longo ensaio, o seu Pensar Portugal Hoje.

Um artigo de título bastante significativo, «Portugalinho», assinado por João Medina e publicado no Diário de Notícias, provocou polémica entre António Quadros, José Augusto Seabra e o próprio João Medina. António Quadros reuniu a sua participação escrita no debate a outros artigos sobre o tema, num volume a que deu o título de A Arte de Continuar Português. O título é uma referência intencional ao livro de Teixeira de Pascoaes, A Arte de Ser Português, publicado em 1915. António Quadros cita-o assiduamente, e comenta-o em concordância e quase identificação de pensamento. Por sinal, A Arte de Ser Português, de Pascoaes, foi também recentemente reeditada.

O problema dos «estrangeirados», que vem já do século XVIII, volta a ser tema colateral nesta reflexão. Seabra abordou o assunto nos jornais, e Jorge Borges de Macedo publicou um opúsculo a que atribuiu o título de Estrangeirados.

O Reino da Estupidez-II, de Jorge de Sena, tal   —493→   como acontecia já no 1º volume, põe o seu autor face ao país que ele abandonou como residência, mas não como pátria, e contém capítulos que anteciparam de alguns anos a reflexão corrente, mas que nem por isso podem deixar de ser inseridos no contexto do debate.

O 1º volume de A Cultura em Portugal, de António José Saraiva, inclui um outro pequeno clássico, um ensaio do autor inicialmente publicado na revista História e Sociedade sob o título «Algumas das Feições Persistentes da Personalidade Cultural Portuguesa» (79-113).

O número de mesas redondas, colóquios ou ciclos de palestras, de artigos nas páginas editoriais ou culturais dos jornais, à volta da mesma temática, é tão vasto que se torna difícil manter um ficheiro exaustivo. De muitos deles só é possível ter-se conhecimento através de referências, pois surgem em publicações de restrita circulação, ou de difícil acesso a quem vive no estrangeiro, e suponho que mesmo a quem vive no país. As intervenções num desses colóquios, por exemplo, em que participaram, entre outros, Adriano Moreira e Agostinho da Silva, foram reunidas num volume intitulado A Identidade Portuguesa-Cumprir Portugal.

Sintomático, dentro desta série, será o facto de os discursos dos oradores oficiais nas celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas girarem à volta do mesmo tema. Um volume reunindo os textos de 1977 a 1982 tem por título Camões e a Identidade Nacional.

O primeiro número da revista Prelo publica três textos de resposta a um inquérito, exactamente sobre a identidade nacional, da autoria de Jorge Borges de Macedo, José-Augusto França e Eduardo Lourenço, respectivamente.2

José Augusto Seabra, na sua colectânea Cultura e Política ou A Cidade e os Labirintos, inclui capítulos como «O Modo de Ser e de Estar no Mundo dos Portugueses» e «Reflexões sobre o Carácter Nacional». Rui Aragão publica Portugal-O Desafio Nacionalista. Psicologia e Identidade Nacionais. Surgem ainda interpretações históricas globais como as de José Mattoso, Identificação de um País; Domingos Mascarenhas, Portugalidade. Biografia de uma Nação; ou António Quadros, Portugal Razão e Mistério. Recentemente, António Quadros publicou um livro que se propõe fazer um balanço do segmento literário desta escrita sobre a identidade: A Ideia de Portugal na Literatura Portuguesa dos Ultimos 100 Anos. Natália Correia surgiu com Somos Todos Hispanos.

Jacinto do Prado Coelho publicou A Originalidade da Literatura Portuguesa, que constitui uma análise das características culturais do povo português manifestadas através das obras literárias.

É significativa a ressurreição do Fernando Pessoa político e da Mensagem. Nos Congressos Internacionais sobre o poeta tem sido considerável o número de trabalhos sobre esse poema épico. Os inéditos de Fernando Pessoa sobre Portugal foram reunidos em três volumes, um deles intitulado exactamente Sobre Portugal-Introdução ao Problema Nacional. De Joel Serrão, apareceu uma série de estudos sobre Fernando Pessoa e Portugal, Fernando Pessoa, cidadão do Imaginário.3

Significativo é ainda o êxito, manifestado nas sucessivas tiragens de Portugal, de Miguel Torga, como o é também o crescente interesse à volta de Miguel de Unamuno e do seu Por tierras de Portugal y España. Mas a preocupação com o que os estrangeiros pensaram e disseram de Portugal é ainda manifesta na variada série de edições de obras como William Beckford e Portugal, de Laura Bettencourt Pires, ou Viagem em Portugal (1798-1802), de Carl Israel Ruders.

Para além destes estudos de carácter mais ensaístico e analítico, pululam, sobretudo a partir de 1980, obras literárias onde essa problemática aflora constantemente. De Urbano Tavares Rodrigues, cujas obras são por vezes uma mistura de ensaio breve e literatura, veio a lume Ensaios de Após-Abril, que dá expressão às preocupações do autor nesse domínio. Armando Silva Carvalho sai com Portuguex, uma mistura de auto-reflexão, autobiografia do inconsciente (individual e não só). Os livros de José Cardoso Pires, E Agora José?, a série romanesca de Almeida Faria reunida no volume Trilogia Lusitana, o Diário-II, de João Palma Ferreira, bem como um diário de Natália Correia intitulado Não Percas a Rosa, são apenas amostras dessa preocupação temática ao nível da literatura. O Dia dos Prodígios, de Lídia Jorge, A Jangada de Pedra de José Saramago, e Fado Alexandrino, de Lobo Antunes, podem exemplarmente representar uma longa série de obras de ficção que se pretendem de interpretação global ou parcial do país.4

Dentro deste mesmo contexto, não podem deixar de ser referidos também os diários de Vergílio Ferreira (Conta-Corrente) e de Miguel Torga, bem como recolhas de textos de estilo diverso, nomeadamente O País das Maravilhas, de Vasco Pulido Valente, ou as Receitas para   —494→   Fritar a Humanidade e Revolucionários e Querubins, de José Martins García. Muito recentemente surgiu ainda, de José Fernandes Fafe, Nação: Fim ou Metamorfose?

A insistência no tema é, com efeito, deveras notável. Polvilha mesmo nas livrarias portuguesas uma série de livros menores, muitas vezes meras colectâneas de artigos de jornais, com Portugal no título. Não raro significativos a penas no número que perfazem, a chamar a atenção dos estudiosos para o que isso revela, em grande parte dos casos é exactamente nos títulos que trazem o seu melhor. Sem outro juízo de valor mais específico sobre os respectivos méritos, atente-se nesta breve listagem das lombadas expostas nas prateleiras das minhas estantes, onde há anos venho coleccionando publicações sobre esse obsessivo tema português da identidade nacional:

Vera Lagoa, Revolucionários que eu Conheci; António Telmo, Não lhes Perdoeis, Senhor!; João Correia de Araújo, Pátria Pequena; Miguel Telmo, Já em 1886 os Asnos Eram Problema; Jacinto Ramos, Esta é a Ditosa Pátria Minha Amada; Artur Agostinho, Português sem Portugal; Alexandre Coelho, Portugal em Perigo e Portugal Guia do Mundo; José-Miguel Júdice, Portugal à Deriva; Manuel de Lucena, Portugal Correcto e Aumentado; Amadeu Lopes Sabino, Portugal é Demasiado Pequeno; Luís Campos, Viver Sem Trabalhar Num País à Beira-Mar; Mário Furtado, A Revolução dos Cravos. A recorrência de Portugal em títulos é deveras notável: Portugal Procura-se, Sobre Portugal Nestes Tempos do Fim, Portugal 1985, O Sentimento Patriótico em Portugal, Para uma Nova Fundação de Portugal, Portuguesimentos, Por Portugal, Portugal Urgente, etc.

E, para concluir este necessariamente longo, e ainda assim incompleto, inventário, não posso deixar de citar o que me parece ser a mais cuidada e valiosa análise do momento conjuntural português correspondente ao fim da ditadura salazarista. Refiro-me às colectâneas de textos de Eduardo Lourenço, publicados na imprensa portuguesa e depois reunidos em volumes: Em 1976, O Fascismo Nunca Existiu e Situação Africana e Consciência Nacional; depois, O Complexo de Marx ou o Fim do Desafio Português; e, anteriormente a esse, um volume precioso que começa por sê-lo no título: O Labirinto da Saudade: Psicanálise Mítica do Destino Português, já reeditado. Eduardo Lourenço prosseguiu as suas reflexões num outro livro mais recente: Nós e a Europa -ou as duas razões.

Não é, pois sem alguma razão que Richard Robinson, na introdução ao seu livro, Contemporary Portugal, escreve:

A great deal of energy has been spent in attempting to define or draw attention to national virtues and defects and to generalize about the Portuguese way of life. Since this has been, and perhaps to a lesser extent still is, something of a national intellectual hobby, anyone interested in Portugal and the Portuguese has at some point to take note of such outpourings.


(24)                


A título emblemático, registarei aqui apenas uma -mas representativa- citação. É de Miguel Torga que, em Londres, escreveu o seguinte no seu Diário

É, realmente, uma penitência andar pelo mundo a cabo com Portugal às costas. Não com o Portugal que poderia e deveria ser, mas com o Portugal que é, por nossos pecados. Um Portugal com oito séculos de existência e que ainda não encontrou a sua identidade nacional (...).


[XII, 201]                





B. Identificação da problemática

A revisitação das questões principais surgidas em torno desta questão ficará para um trabalho mais longo, neste momento em preparação. António Quadros realizou já parte fundamental dessa tarefa, ao fazer um levantamento quase exaustivo das obras e seu conteúdo em A Ideia de Portugal na Literatura Portuguesa dos Ultimos Cem Anos.5 Permitir-me-ia, no entanto, abrir um parêntesis para uma tentativa pessoal de sistematização da problemática em causa, deixando a sua análise para outro lugar.

Assim, em jeito de hipótese de trabalho, direi que os temas dominantes, sobre os quais deverá incidir uma investigação e análise crítica mais pormenorizada, poderiam sintetizar-se deste modo:

1. Portugalidade -Ser Português. O que é. O que nos distingue de Espanha e das outras culturas românicas.

2. Estrangeirados -Até que ponto a história cultural portuguesa é criada a partir de dentro, ou e uma importação traduzida e adaptada do estrangeiro? Lateralmente a este problema: até que ponto se deve congelar um conceito estático do que é «português» e fechar-se ao novo que porventura seja estrangeiro?

3. Haverá possibilidade de se criar um projecto colectivo para os portugueses? É possível traçar-se um futuro para Portugal? Se sim, como? Com que características? Em que direcção?

4. Que função tem hoje Portugal no mundo? Que papel pode desempenhar na história da Europa, ou de outros continentes (África de Expressão Portuguesa e Brasil, por exemplo?)

  —495→  

Qualquer hispanista reconhecerá aqui a problemática da geração espanhola de 98, reeditada três quartos de século depois no país vizinho, aliás em circunstâncias históricas com um factor comum entre Portugal e Espanha, ressalvadas as compreensíveis distâncias: o fim do período colonial.




C. A questão da identidade nacional

Ignoremos a análise teórica de conceitos como identidade e identidade nacional,6 pois interessa-nos aqui apenas detectar as linhas de força emergentes do debate português contemporâneo nesta matéria.

António José Saraiva, partindo exactamente do pressuposto de que se pode falar de grupos culturais de forma generalizada, afirma:

Partimos da hipótese de que uma cultura nacional tem uma certa identidade e uma certa permanência no tempo, qualquer que seja a razão disso.

Só são possíveis esta hipótese ou a contrária, isto é: que não há particularidades nacionais, ou que todas as nações oferecem as mesmas características.

Esta segunda hipótese aparece imediatamente como falsa a qualquer pessoa que tenha viajado fora do seu país, ou que tenha aprendido línguas, ou frequentado as literaturas e as artes, ou que conheça minimamente o comportamento de vários países ao longo da história».


(81)                


A diferença entre o tipo de ensaio que Saraiva desenvolve após essa introdução, para mim correcta, e os realizados fora de Portugal sobre diversos grupos culturais,7 reaparecidos após décadas em que estiveram fora de moda, prende-se com uma deficiência no campo de estudos portugueses: a ausência de estudos monográficos, de micro-análises antropológicas, sociológicas, ou interdisciplinares, sobre segmentos específicos da sociedade portuguesa, tanto em termos diacrónicos como sincrónicos.8

Se bem que nos últimos anos esta tendência tenha vindo a dar sinais de mudança, é preciso dizer-se que, no sector das ciências sociais portuguesas, foi a História que mais cedo despertou -mercê dos contactos de uma camada jovem em França com a histoire des mentalités- e tem vindo a produzir trabalhos meritórios, de escopo limitado no tempo e no espaço, sobre as mentalidades de grupos portugueses ao longo da nossa história. Mas não apareceu ainda um estudo global feito a partir desses trabalhos monográficos. Já o mesmo não é possível dizer-se da Espanha, acerca da qual surge, por exemplo, uma obra como L'Homme Espagnol: Attitudes et Mentalités du XVIe, au XIXe siècle, de Bartolomé Bennassar,9 cujo autor analisa as recorrências de atitudes comportamentais, de algumas camadas sociais espanholas, ao longo de três séculos. Vasto ainda o objecto e o intervalo de tempo, mas a metodologia ganhou consistência e um grande avanço em relação a estudos espanhóis dos anos trinta, do tipo de Salvador de Madariaga, e quase já não tem sequer comparação possível, em termos de abordagem, com os ensaios de Unamuno.

Quer tudo isto dizer que as possíveis objecções, por parte das Ciências Sociais, a trabalhos como os de António José Saraiva e Eduardo Lourenço (aliás, os únicos que aqui me interessa considerar) se explicam por motivos que ultrapassam a proveniência, ou o pano de fundo intelectual, desses autores. Eles abordam aquela temática a partir da literatura, porque só nela conseguem encontrar dados sobre algo que intuem como constituindo um tema a exigir essa reflexão -o comportamento cultural português. Para mais, só agora Portugal começa nesse domínio a interessar estudiosos estrangeiros, de quem não raro provêm as melhores análises, por serem feitas de fora, através de olhos mais distantes e menos envolvidos no próprio objecto de análise.

Naturalmente que, na cultura portuguesa, só é possível encontrar-se as referências necessárias na literatura e nalguma historiografia do século passado, por isso feita nos moldes desse século.

As consequências da utilização desse tipo de documento não são tão graves como alguns cientistas sociais pretendem. Mas sobre isso direi apenas que cabe às Ciências Sociais virem refutar ou confirmar algumas das grandes teorias ou, talvez melhor, grandes hipóteses e intuições desses autores. Há intuições magistrais, ainda que, sem dúvida, generalizadoras, nas obras de intelectuais e escritores portugueses. Eduardo Lourenço retomou-as e desenvolveu-as provando merecerem ser testadas. Não vale rejeitá-las sem mais, apenas pelo facto de provirem de uma tradição intelectual ensaísta, entre o filosófico e o literato, de feição humanista.

Com os cientistas sociais, inclinados para o modelo metodológico das Ciências Naturais, compartilho, entretanto, das dúvidas, receios e abstenções em determinadas aventuras da psicanálise. Embora Eduardo Lourenço tenha, no subtítulo de O Labirinto da Saudade, a palavra «psicanálise», ao longo do livro só indirectamente a ela recorre. Não faz incursões como as de A. Saraiva, no ensaio atrás referido, onde a alturas tantas escreve:

  —496→  

Os Portugueses comportam-se como um povo que teve mãe, mas é órfão de pai, o que historicamente até se poderia explicar de uma maneira positivista pela emigração massiva dos chefes de família durante a maior parte do tempo da nossa história. E esta explicação poderia ter desenvolvimentos psicanalíticos.

Mas preferimos outra hipótese, que aliás não exclui a anterior. O «pai» da gente portuguesa era representado pela «Espanha», no antigo significado de pátria comum de todos os povos ibéricos, dela nos vinham os padrões de civilização ao nível intelectual. A «mãe» era a região onde se falava o Galego-português, ninho dos valores afectivos. Desde que Portugal rejeitou a paternidade hispânica, a família ficou precocemente amputada.


(112)                


Aqui, Saraiva entrou decididamente na especulação «criadora», e qualquer associação deste género de afirmações com os trabalhos de Eduardo Lourenço seria altamente injusta para este. Cabe à nova geração de cientistas sociais portugueses vir destrinçar o que de mais ou menos objectivo se diz sobre o povo português daquilo que é resultante de leituras ideológicas específicas de paradigmas determinados (ou a determinar). Ou, se preferimos, do que é reflexo de mundividências onde uma mistura de dados e valores éticos e estéticos se entrelaça, a ponto de propor leituras diferentes do que pensamos ser a realidade.

A importância deste trabalho assenta no facto de existirem convicções generalizadas sobre os portugueses como povo, da parte dos portugueses sobre si próprios, já que qualquer povo tem a sua auto-imagem, e de estrangeiros sobre portugueses. Essas convicções podem ter sofrido determinadas influências. E digo «podem» porque não creio que se possam fazer universalizações sobre este ponto. O certo é que as convicções existem e as ciências sociais deverão levá-las ao laboratório, radiografá-las, fazer electrocardiogramas, observá-las ao microscópio e identificar-lhes o real e o imaginário (não esquecendo que o imaginário é também real).

E, mesmo assim, as generalizações irão continuar. Elas são inevitáveis e necessárias por conveniências de vária ordem.

Trocando ideias com cientistas sociais, ouço-os muitas vezes fazer afirmações generalíssimas sobre outros povos ou grupos humanos. É, de facto, inevitável. Não se pode ter um conhecimento microscópico de tudo. Os cidadãos não cientistas apelam constantemente para conceitos gerais. São, portanto, esses conceitos que deveriam ser testados no pormenor, para serem reformulados, se necessário for, quando não se provar a sua objectividade (e uso o termo com toda a consciência das suas limitações). Deveria ter-se em conta que a seguinte verificação é dificilmente refutável: se as generalizações comportamentais sobre grupos humanos são rigorosamente impossíveis, ou cientificamente inaceitáveis, a nível político as pessoas funcionam dentro dessas generalizações. Mudamos assim de esfera e passamos a estar na presença de um problema político. Teremos, pois, de concluir que essas generalizações poderão não ser rigorosamente científicas, mas são conceitos operacionais e funcionam para os devidos efeitos como se fossem científicos. Daí que não seja razoável a mera rejeição de um conceito, com tantas implicações, como o de «características culturais».10

Seria altura de retomar a noção de identidade. Todavia, como já escrevi sobre ela noutro lugar,11 recordo apenas que o debate sobre as identidades nacionais incorre frequentemente numa versão da falácia naturalista que deriva da esfera factual, denotativa, verificável ou, se quisermos, científica, para a normativa, ou ética. David Hume identificou há muito essa falácia, gerando uma questão conhecida pela questão do is/ought, ser/dever ser».12

Ainda que ficasse demonstrado, para além de qualquer dúvida, que o comportamento de um povo tem recorrências, ou segue padrões inconscientes, de tal demonstração só poderíamos aventar hipóteses deste tipo: se não forem alterados dados e/ou circunstâncias, é possível que esses tipos de comportamento voltem a repetir-se, dado o carácter da transmissão cultural. Chamo a atenção para o facto de isto nada ter a ver com determinismos culturais, uma vez que explicitei a condicional «se não forem alterados dados e/ou circunstâncias». Não poderá negar-se a mudança. As culturas são susceptíveis de mudança e esta ocorre. Basta olhar para a História. Dito isto, estamos apenas dentro do tipo mais ortodoxo de previsão científica em que um facto futuro é predito porque se sabe, pelos dados presentes, que ele vai acontecer. Ele não vai acontecer porque o cientista o predisse, pois embora haja casos em que isso é possível (a self-fulfilling prophecy), não são de modo nenhum generalizáveis. Bem mais provável será o facto de determinadas concepções de (ou acerca de) um grupo cultural, independentemente de serem objectivas ou não, poderem ter reflexos no seu comportamento. E é isso justamente que nos leva de novo à importância de se monitorar, verificar, e corrigir se necessário, as visões ou concepções que um povo tem de si, e os outros dele.

O problema toma-se intrincadamente difícil quando as visões de o que se é se entrelaçam com   —497→   as do deve ser, do pode ser ou as do tem de ser ainda que não se possa sê-lo. Mas não falta quem acredite na força psicológica da crença para promover saltos de qualidade, ainda que pequenos. As sociedades comunistas funcionam dentro deste último paradigma, onde essa crença num dever ser específico está implícita como axioma.

As propostas ou projectos políticos de muitos sectores portugueses, em termos de ter de ser, são frequentissimamente irrealistas. Irrealistas, porque apontam caminhos que se sabe de antemão (se prevê) não poderem ser percorridos, por faltarem factores ou circunstâncias novas capazes de alterar o estado de coisas que têm perpetrado determinados comportamentos ou hábitos.

É por todos estes motivos que um aviso como o de Eduardo Lourenço sobre o irrealismo prodigioso português, (Labirinto 19) não sendo uma afirmação documentada em dados empíricos sólidos, ou em estatísticas computadorizadas, acaba por tornar-se uma verdade que aceito como inteligentemente intuída por alguém que vê longe e fundo (a inteligência não é apanágio exclusivo dos cientistas!).13 Mais ainda: proponho aos novos cientistas sociais portugueses virem refutá-la empiricamente. Lembro, aliás, que toda a descoberta científica começa por ser sempre uma intuição não testada. Parte sempre de uma teoria. Karl Popper demonstrou-o. Igualmente, dentro da melhor tradição popperiana, a refutação de pontos de vista, como os de Eduardo Lourenço, é teoricamente possível. Mas deve-se primeiro constituir hipóteses, propostas de trabalho. A minha previsão e receio, porém, é de que infelizmente os dados acabarão por demonstrar a validade de tais perspectivas. Ainda que corrigindo-as em muitos aspectos, enchendo-as de qualificações e usando uma linguagem muito mais rigorosa, mais empírica, menos generalizadora e cheia de notas de rodapé.




D. Conclusão

Regressando à problemática do ser/dever ser, uma coisa é a caracterização tipológica levada a cabo por cientistas sociais, escritores ou ensaístas, e outra é a transformação dessas supostas características culturais em essências com carácter metafísico, isto é, de natureza ôntica, imutável e determinista, como fazem Teixeira de Pascoaes no início de século e António Quadros continua fazendo hoje.

Apesar da dificuldade de se estabelecerem linhas divisórias com rigor a propósito da escrita (literatura e ensaio) portuguesa preocupada com uma certa intervenção social, podemos porventura atrever-nos a generalizar afirmando que, neste século, nela predominam dois modos tipológicos em relação a Portugal: o de Eça de Queirós e o de Camilo Castelo Branco.14 Depois do 25 de Abril, o fosso acentuou-se. Prossegue a coexistência de uma atitude marcadamente crítica com uma outra empaticamente vocacionada para a recuperação dos valores tradicionais portugueses. Muitas vezes as duas componentes coexistem no próprio escritor, como foi já o caso de Fernando Pessoa,15 e é o da grande maioria dos escritores do pós-25 de Abril, tendo aliás acontecido também com muitos neo-realistas.

Este delinear de duas tendências marcantes -insiste-se- não pretende ser exclusivista, já que alguns dos autores mais importantes da literatura portuguesa contemporânea lhes escapam quase totalmente. Basta mencionar-se Vergílio Ferreira como exemplo fundamental.16

Creio, porém, ter demonstrado que a obsessão com o problema da identidade portuguesa não diminui, portanto.17

No contexto do que atrás fica dito, não deixa de ser curiosa a opinião da escritora Lídia Jorge expressa numa mesa-redonda sobre «O Mito na Literatura Ibérica Actual», realizada no Banco Exterior de Espanha. A autora de O Dia dos Prodígios vem concordar com a perspectiva de fundo sugerida neste ensaio. Ao apontar, como limitador, da literatura actual, um dos seus traços dominantes, a escritora corrobora parte do ponto de vista aqui defendido:

«o que está sempre em causa desde Eça de Queirós a Lobo Antunes é o mito do País, a procura da identidade colectiva. Cardoso Pires, Saramago, todos estes escritores se centram num único mito».


(Z. S.)                


A reflexão sobre tal problemática apresenta a mesma dicotomia em Pascoaes pensador e em António Sérgio. O primeiro, usando acima de tudo o sentimento, por achá-lo constitutivo ôntico da portugalidade; o segundo, aplicando sobre a pátria, que também amava, o olhar frio da razão.

Eduardo Lourenço disse-me um dia que se situava entre os dois. É reveladora essa informação. De facto, ele sente Portugal com Pascoaes, mas pensa-o com Sérgio. Parece ser esse também o caso dos melhores escritores do pós-25 de Abril, atraídos pelas mesmas forças: entre o sentir lusitano de Camilo e o olhar crítico de Eça. Neste sentido, foi esse o grande legado de Fernando Pessoa, que a todos os contemporâneos se antecipou. José Saramago é apenas um exemplo entre os mais recentes.

  —498→  

E quem não reconhece ser essa a dialética em que se encontra o Portugal de hoje, atraído simultaneamente pelas forças da europeização e das raízes nacionais? Os escritores, para além dos elementos criadores do seu talento, não deixam de actuar como reflexo inconsciente dessa consciência colectiva, expressa sob a forma de literatura, onde os grandes debates do imaginário colectivo costumam ter lugar.



  —499→  
OBRAS CITADAS

Alegre, Manuel. O Canto e as Armas. Coimbra: Nosso Tempo, 1967.

_____. Praça da Canção. Coimbra: 1965.

Almeida, Fernando António. Memória de Portugal. Coimbra: Centelha, 1978.

Almeida, Onésimo Teotónio. «Em Torno dos Conceitos de identidade, identidade nacional e identidade açoriana». (inédito).

_____. «Filosofia portuguesa-Alguns equívocos». Cultura-História e Filosofia 4 (1985): 219-55.

_____. «Identidade cultural: Conflitos solúveis e insolúveis». In Eduardo Mayone Dias, org. Portugueses na América do Norte. Lisboa: Peregrinação, 1983. 41-55.

_____. «Inconsciente Colectivo ou estruturas culturais profundas?» (inédito).

_____. «Fernando Pessoa e verdade(s)». In Um Século de Pessoa. Lisboa: Secretaria de Estado da Cultura, 1990. 195-203.

_____. Mensagem-Uma Tentativa de Reinterpretação. Angra do Heroísmo: Secretaria Regional da Educação e Cultura, 1987.

_____. «National Character or Deep Cultural Structures?: Some Comments on the Return of a Concept». (inédito).

Antunes, Lobo. Fado Alexandrino. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1983.

Antunes, Manuel. Repensar Portugal. Lisboa: Multinova, 1979.

Aragão, Rui. Portugal -O Desafio Nacionalista: Psicologia e Identidade Nacionais. Lisboa: Teorema, 1984.

Baptista, Mário. Repensar Portugal. Lisboa: Arcádia, 1975.

Barroso, José Alburquerque. Português Ainda. Braga: Editora Pax, 1980.

Barzini, Luigi. The Italians. New York: Atheneum, 1964.

Belo, Ruy. País Possível. Lisboa: Assírio & Alvim, 1973.

Bennassar, Bartolomé. L'Homme Espagnol: Attitudes et Mentalités du XVIe au XIXe siècle. Paris: Hachette, 1975.

Bonavia, David. The Chinese. Middlessex: Penguin Books, 1980.

Camões e a Identidade Nacional. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1983.

Campos, Luís. Viver sem Trabalhar Num País à Beira-Mar. Lisboa: Europress, 1983.

Carvalho, Armando Silva. Portuguex. Lisboa: Diabril, 1977.

Coelho, Alexandre. Portugal em Perigo. Lisboa: Edição do Autor, 1980.

_____. Portugal Guia do Mundo. Lisboa: Edição do Autor, 1981.

Coelho, Jacinto do Prado. A Originalidade da Literatura Portuguesa. Lisboa: Instituto de Cultura Portuguesa, 1977.

Correia, Natália. Não Percas a Rosa. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1978.

_____. Somos Todos Hispanos. Lisboa: O Jornal, 1988.

Cotta, António Rebelo. Não lhes Perdoeis, Senhor!... Lisboa: Sonotexto, 1977.

Cutileiro, José. A Portuguese Rural Society. Oxford: Clarendon Press, 1971.

Dias, António M. Lopes. País Ignorado. Coimbra: Nosso Tempo, 1973.

Fafe, José Fernandes. Nação: Fim ou Metamorfose? Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1990.

Faria, Almeida. Trilogia Lusitana. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1982.

Ferreira, Vergílio. Conta-Corrente, 5 vols. Lisboa: Bertrand, 1981-1987.

García, José Martins. Receitas para Fritar a Humanidade. Lisboa: Ed. Montanha, 1978.

_____. Revolucionários e Querubins. Lisboa: Ed. Afrodite, 1977.

Godinho, Vitorino Magalhões. Um Projecto para Portugal. Lisboa: Europa-América, 1979.

A Identidade Portuguesa: Cumprir Portugal. Lisboa: Instituto Dom João de Castro, 1988.

Jorge, Lídia. O Dia dos Prodígios. Lisboa: Europa-América, 1980.

Júdice, José Miguel. Portugal à Deriva. Lisboa: Edições do Templo, 1978.

Laso, J. L. Gavilanes. Vergílio Ferreira: Espaço Simbólico e Metafísico. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1989.

Lipiansky, Edmond Marc. L'Ame Française ou le National Libéralisme: Analyse d'une représentation sociale. Paris: Editions Anthropos, 1979.

Lourenço, Eduardo. O Fascismo Nunca Existiu. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1976.

_____. Situação Africana e Consciência Nacional. Lisboa: Publicações Génese, 1976.

_____. O Complexo de Marx ou o Fim do Desafio Português. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1979.

_____. O Labirinto da Saudade: Psicanalise Mítica do Destino Português. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1982.

_____. Nós e a Europa, ou as Duas Razões. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1988.

Lucena, Manuel de. Portugal Correcto e Aumentado. Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1975.

Macedo, Jorge Borges de. Estrangeirados-Um Conceito a Rever. Lisboa: Edições do Tempo, s. d.

Maltez, José Adelino. Pátria Prometida. Lisboa: Edição do Autor, 1983.

Martins, João Pereira. Pensar Portugal Hoje. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1979.

Mascarenhas, Domingos. Portugalidade: Biografia de uma Nação. Lisboa: Edições FP, 1982.

Mattoso, José. Identificação de um País. Lisboa: Estampa, 1985.

Medina, João. «Portugalinho». Diário de Notícias 22-29 (1976).

Morgado, Lopes. Canto de Sol e Sal. Diário do Meu País. Lisboa: Multinova, 1983.

Palma-Ferreira, João. Diário-II. Lisboa: Publicações Europa-América, 1977.

Pascoaes, Teixeira de. A Arte de Ser Português. 2ª edição. Lisboa: Edições Roger Delraux, 1978.

Peabody, Dean. National Characteristics. Cambridge: Cambridge University Press, 1985.

Pessoa, Fernando. Mensagem. Lisboa: Ática, 1963.

_____. Sobre Portugal: Introdução ao Problema Nacional. Recolha de Textos de M. I. Rocheta e M. P. Morão. Int. e Org. de Joel Serrão. Lisboa: Ática, 1979.

  —500→  

Pina-Cabral, João de. Sons of Adam, Daughters of Eve: The Peasant Worldview of the Alto Minho. Oxford: Oxford Univ. Press, 1986.

Pires, José Cardoso. E Agora José? Lisboa: Moraes Editores, 1977.

Pires, Laura Bettencourt. William Beckford e Portugal. Lisboa: Edições 70, 1987.

Prelo 1 (Out.-Dez. 1983): 5-22.

Presedo, Maria Elvira Souto. O Romance Português Actual: Uma Literatura de Autognose. Santiago de Compostela: Servicio de Publicaciones e Intercambio Científico dela Universidad de Santiago de Compostela, 1989. (microficha).

Quadros, Antônio. A Arte de Continuar Português. Lisboa: Edições do Templo, 1978.

_____. Aldeia de Portugal na Literatura Portuguesa dos últimos 100 Anos. Lisboa: Fundação Lusíada, 1989.

_____. Portugal Razão e Mistério. Lisboa: Guimarões Editores, 1986.

Ramos, Jacinto. Esta é a Ditosa Pátria Minha Amada. Lisboa: Terra Livre, 1977.

Robinson, Richard. Contemporary Portugal. London: George Allen & Unwin, 1979.

Rodrigues, Urbano Tavares. Ensaios de Após-Abril. Lisboa: Moraes Editores, 1977.

Ruders, Carl Israel. Viagem em Portugal (1798-1802). Lisboa: Biblioteca Nacional, 1981.

Sá, Victor de. Repensar Portugal. Lisboa: Livros Horizonte, 1977.

Sabino, Amadeu Lopes. Portugal é Demasiado Pequeno. Coimbra: Centelha, 1976.

Saraiva, António José. A Cultura em Portugal: Teoria e História, 1. Lisboa: Livraria Bertrand, 1981.

Saramago, José. A Jangada de Pedra. Lisboa: Caminho, 1986.

Seabra, José Augusto. Cultura e Política ou A Cidade e os Labirintos. Lisboa: Vega, 1986.

Sena, Jorge de. O Reino da Estupidez-II. Lisboa: Moraes Editores, 1978.

Serrão, Joel. Fernando Pessoa, Cidadão do Imaginário. Lisboa: Livros Horizonte, 1981.

Smith, Hedrick. The Russians. New York: Quadrangle/The New York Times Book Co. 1976.

Torga, Miguel. Diário. Coimbra, 1941-1990.

_____. Portugal. Coimbra: 1967.

Unamuno, Miguel de. Por tierras de Portugal y España. Madrid: España-Calpe, 8ª ed., 1976.

Valente. Vasco Pulido. O País das Maravilhas. Lisboa: Intervenção, 1979.

Z. S. «Portugueses e Espanhóis falam de literatura e identidade». Jornal de Letras, Artes e Ideias (20/11/1990).

Zink, Rui. Hotel Lusitano. Lisboa: Europa-América, 1986.