Selecciona una palabra y presiona la tecla d para obtener su definición.
  • História do Brasil

    • Dedicatória

      Ao licenciado Manuel Severim de Faria chantre na Santa Sé de Évora

    • Livro primeiro

      Em que se trata do descobrimento do Brasil, costumes dos naturais, aves, peixes, animais e do mesmo Brasil

    • Livro segundo

      Da História do Brasil no tempo do seu descobrimento

      • Capítulo I

        De como se continuou o descobrimento do Brasil, e se deu ordem a se povoar

      • Capítulo II

        Das capitanias e terras, que el-rei doou a Pero Lopes e Martim Afonso de Souza, Irmãos

      • Capítulo III

        Da terra e capitania que el-rei doou a Pero Lopes

      • Capítulo IV

        Da terra e capitania do Espírito Santo, que el-rei doou a Vasco Fernandes Coutinho

      • Capítulo V

        Da capitania de Porto Seguro

      • Capítulo VI

        Da capitania dos Ilhéus

      • Capítulo VII

        Da capitania da Bahia

      • Capítulo VIII

        Da capitania de Pernambuco, que el-rei doou a Duarte Coelho

      • Capítulo IX

        De como Duarte Coelho correu a costa da sua capitania, fazendo guerra aos franceses, e paz com o gentio, e se foi para o reino

      • Capítulo X

        De como na ausência de Duarte Coelho ficou governando Jerônimo de Albuquerque a Capitania de Pernambuco, e do que nela aconteceu neste tempo

      • Capítulo XI

        Da capitania de Itamaracá

      • Capítulo XII

        Do que aconteceu na capitania de Itamaracá depois que dela e foi o donatário Pero Lopes de Souza

      • Capítulo XIII

        Da terra e capitania, que el-rei d. João Terceiro doou a João de Barros

      • Capítulo XIV

        Da terra e capitania do Maranhão, que el-rei d. João Terceiro doou a Luiz de Mello da Silva

    • Livro terceiro

      Da História do Brasil do tempo que o governou Tomé de Souza até a vinda do governador Manuel Teles Barreto

      • Capítulo I

        De como el-rei mandou outra vez povoar a Bahia por Tomé de Souza, governador geral da Bahia

      • Capítulo II

        De outras duas armadas, que el-rei mandou com gente e rovimento para a Bahia

      • Capítulo III

        Do segundo governador geral, que el-rei mandou ao Brasil

      • Capítulo IV

        De uma nau da Índia, que arribou a esta Bahia no tempo do governador d. Duarte da Costa

      • Capítulo V

        De outra nau da Índia, que arribou à Bahia

      • Capítulo VI

        Do terceiro governador do Brasil, que foi Mem de Sá

      • Capítulo VII

        De como mandou o governador seu filho Fernão de Sá socorrer a Vasco Fernandes Coutinho, e o matou lá o gentio

      • Capítulo VIII

        Da entrada dos franceses no Rio de Janeiro, e guerra que lhe foi fazer o governador

      • Capítulo IX

        De como o governador tornou do Rio de Janeiro para a Bahia, e o sucesso que teve uma nau da Índia, que a ela arribou

      • Capítulo X

        Do aperto, em que os Tamoios do Rio de Janeiro puseram a Capitania de S. Vicente, e o governador lhes mandou fazer segunda guerra

      • Capítulo XI

        Da viagem, que fez Jorge de Albuquerque de Pernambuco para o reino, e casos que nela sucederam

      • Capítulo XII

        De como o governador Mem de Sá tornou ao Rio de Janeiro, fundou nele a cidade de S. Sebastião, e do mais que lá fez até tornar à Bahia

      • Capítulo XIII

        De como o governador tornou para a Bahia, e de uma nau que a ela arribou indo para a Índia

      • Capítulo XIV

        De como os Tamoios, e franceses depois da vinda do governador foram do Cabo Frio ao Rio de Janeiro para tomarem uma aldeia, e do que lhe sucedeu

      • Capítulo XV

        Das guerras, que houve neste tempo em Pernambuco

      • Capítulo XVI

        De como vinha por governador do Brasil d. Luiz Fernandes de Vasconcelos, e o mataram no mar os corsários

      • Capítulo XVII

        Da morte do governador Mem de Sá

      • Capítulo XVIII

        De como el-rei d. Sebastião mandou Cristóvão de Barros or capitão-mor a governar o Rio de Janeiro

      • Capítulo XIX

        Do quarto governador do Brasil Luiz de Brito de Almeida, e de ua ida ao rio real

      • Capítulo XX

        Das entradas, que neste tempo se fizeram pelo sertão

      • Capítulo XXI

        Das diferenças, que o governador, e o bispo tiveram sobre um reso, que se acolheu a igreja

      • Capítulo XXII

        Do princípio da rebelião, e guerras do gentio da Paraíba

      • Capítulo XXIII

        De como dividiu el-rei o governo do Brasil mandando o dr. Antônio Salema governar o Rio de Janeiro com o Espírito Santo, e mais capitanias do sul, e o governador Luiz de Brito com a Bahia, e as outras do norte, e que fosse conquistar a Paraíba

      • Capítulo XXIV

        De como o governador Luiz de Brito mandou o ouvidor-geral Fernão da Silva à conquista da Paraíba, e depois ia ele mesmo, e não pôde chegar com ventos contrários

      • Capítulo XXV

        De uma entrada, que nesse tempo se fez de Pernambuco ao sertão

      • Capítulo XXVI

        Da morte do governador Lourenço da Veiga

    • Livro quarto

      Da História do Brasil do tempo que o governou Manuel Teles Barreto até a vinda do governador Gaspar de Souza

      • Capítulo I

        De como veio governar o Brasil Manuel Teles Barreto, e do que aconteceu a umas naus francesas, e inglesas no Rio de Janeiro, e S. Vicente

      • Capítulo II

        Da armada, que mandou Sua Majestade ao estreito de Magalhães, em que foi por general Diogo Flores de Valdez, e o sucessor que teve

      • Capítulo III

        Do socorro, que da Paraíba se mandou pedir ao governador Manuel Teles, e o assento que sobre isso se tomou

      • Capítulo IV

        De como o licenciado Martim Leitão, ouvidor-geral, foi por mandado do governador com o general Diogo Flores de Valdez a conquista da Paraíba, e se fez nela a fortaleza da barra

      • Capítulo V

        Dos socorros, que por indústria do ouvidor-geral se mandaram a Paraíba

      • Capítulo VI

        De como o ouvidor-geral Martim Leitão foi a Paraíba a primeira vez, e da ordem da jornada, e primeiro rompimento, e cerca tomada

      • Capítulo VII

        De como se tentaram as pazes com o Braço de Peixe, e por as não querer se lhe deu guerra

      • Capítulo VIII

        De como o general Martim Leitão chegando ao forte mandou o capitão João Paes à baía da Traição, e depois se tornaram para Pernambuco

      • Capítulo IX

        De como o capitão Castejon fugiu, e largou o forte, e o ouvidor-geral o prendeu, e agasalhou os soldados

      • Capítulo X

        De como o Braço de Peixe mandou cometer pazes, pedindo socorro contra os Potiguares, e o ouvidor-geral tornou à Paraíba, e começou a povoação

      • Capítulo XI

        De como o ouvidor-geral foi à Baía da Traição

      • Capítulo XII

        De como da baía da Traição foram ao Tujucupapo, e tornaram para Pernambuco

      • Capítulo XIII

        Da vinda do capitão Morales do reino, e tornada do ouvidor-geral a Paraíba

      • Capítulo XIV

        De como o ouvidor-geral foi da Paraíba a Copaíba

      • Capítulo XV

        De como destruída a Copaíba foram ao Tujucupapo

      • Capítulo XVI

        De como despedida a gente o ouvidor-geral fez o forte de S. Sebastião

      • Capítulo XVII

        De uma grande traição, que o gentio de Sergipe fez aos homens da Bahia, e a guerra que o governador fez aos Aimorés

      • Capítulo XVIII

        Da morte do governador Manuel Teles Barreto, e como ficaram em seu lugar governando o bispo d. Antônio Barreiros, o provedor-mor Cristóvão de Barros, e o ouvidor-geral

      • Capítulo XIX

        De três naus inglesas, que neste tempo vieram à Bahia

      • Capítulo XX

        Da guerra, que Cristóvão de Barros foi dar ao gentio de Sergipe

      • Capítulo XXI

        De uma entrada, que se fez ao sertão em busca dos gentios, que fugiram das guerras de Sergipe e outras

      • Capítulo XXII

        De como se continuaram as guerras da Paraíba com os Potiguares, e franceses, que os ajudavam

      • Capítulo XXIII

        Como Francisco Giraldes vinha por governador do Brasil, e por não chegar, e morrer, veio d. Francisco de Souza, que foi o sétimo governador

      • Capítulo XXIV

        Da jornada, que Gabriel Soares de Souza fazia às minas do sertão, que a morte lhe atalhou

      • Capítulo XXIV ( bis )

        De como veio Feliciano Coelho de Carvalho governar a Paraíba, e foi continuando com as guerras dela

      • [Parte do capítulo que parece ser o XXX]

      • Capítulo XXXI

        De como Manuel Mascarenhas Homem foi fazer a fortaleza do rio Grande, e do socorro que lhe deu Feliciano Coelho de Carvalho

      • Capítulo XXXII

        De como acabado o forte do Rio Grande, e entregue ao capitão Jerônimo de Albuquerque se tornaram os capitães-mor de Pernambuco, e Paraíba, e batalhas, que no caminho tiveram com os Potiguares

      • Capítulo XXXIII

        De com Jerônimo de Albuquerque fez pazes com os Potiguares, e se começou a povoar o Rio Grande

      • Capítulo XXXIV

        De como foi o governador geral às minas de São Vicente, e ficou governando a Bahia Álvaro de Carvalho, e dos holandeses que a ela vieram

      • Capítulo XXXV

        Da guerra dos gentios Aimorés, e como se fizeram as pazes com eles em tempo do capitão-mor Álvaro de Carvalho

      • Capítulo XXXVI

        Do que fez o governador nas minas

      • Capítulo XXXVII

        Do oitavo governador do Brasil, e o primeiro que veio por Pernambuco, que foi Diogo Botelho; e como veio aí ter a gente de uma nau da Índia, que se perdeu na ilha de Fernão de Noronha

      • Capítulo XXXVIII

        Da entrada, que fez Pero Coelho de Souza da Paraíba com licença do governador a serra de Boapaba

      • Capítulo XXXIX

        Do zelo, que o governador Diogo Botelho teve da conversão dos gentios, e que se fizesse por ministério de religiosos

      • Capítulo XL

        De como o governador veio de Pernambuco para a Bahia, e mandou o Zorobabe, que se tornava com os seus Potiguares para Paraíba, desse de caminho nos negros de Guiné fugidos, que estavam nos palmares do rio Itapucuru, e de como se começaram as pescarias das baleias

      • Capítulo XLI

        De como Zorobabe chegou a Paraíba, e por suspeito de rebelião foi preso, e mandado ao reino

      • Capítulo XLII

        Do que aconteceu a uma nau flamenga, que por mercancia ia à capitania do Espírito Santo carregar de pau-brasil

      • Capítulo XLIII

        Da segunda jornada, que fez Pero Coelho de Souza à serra de Boapaba, e ruim sucesso que teve

      • Capítulo XLIV

        Da missão, e jornada, que por ordem do governador Diogo Botelho fizeram dois padres da companhia a mesma serra de Boapaba, e como deferia aos rogos dos religiosos

      • Capítulo XLV

        De como o governador d. Diogo de Menezes veio governar a Bahia, e presidiu no tribunal, que veio, da relação

      • Capítulo XLVI

        De como d. Francisco de Souza tornou ao Brasil a governar as capitanias do sul, e da sua morte

      • Capítulo XLVII

        Da nova invenção de engenhos de açúcar, que neste tempo se fez

    • Livro quinto

      Da História do Brasil do tempo que o governou Gaspar de Souza até a vinda do governador Diogo Luiz de Oliveira

      • Capítulo I

        Da vinda do décimo governador do Brasil Gaspar de Souza, e como veio por Pernambuco a dar ordem à conquista do Maranhão

      • Capítulo II

        De como mandou o governador a Jerônimo de Albuquerque a conquistar o Maranhão

      • Capítulo III

        Da guerra do Maranhão, e vitória que se alcançou

      • Capítulo IV

        Das tréguas, que se fizeram entre os nossos e os franceses no Maranhão

      • Capítulo V

        Do socorro, que o governador Gaspar de Souza mandou por Francisco Caldeira de Castelo Branco ao Maranhão

      • Capítulo VI

        De como o capitão Baltazar de Aragão saiu da Bahia com uma armada contra os franceses, e se perdeu

      • Capítulo VII

        Da vinda do governador Gaspar de Souza de Pernambuco à Bahia, e do que nela fez

      • Capítulo VIII

        De como o governador tornou para Pernambuco, e mandou Alexandre de Moura ao Maranhão

      • Capítulo IX

        De uma armada de holandeses, que passou pelo Rio de Janeiro para o estreito de Magalhães, e de outra de franceses, que foi carregar de pau-brasil ao Cabo Frio, et coetera

      • Capítulo XVIII

        De como estando provido Henrique Corrêa da Silva por governador do Brasil, não veio; a causa porque; e como veio em seu lugar Diogo de Mendonça Furtado

      • Capítulo XIX

        Da chegada do governador Diogo de Mendonça à Bahia, e ida de seu antecessor d. Luiz de Souza para o reino

      • Capítulo XX

        De como Antônio Barreiros, filho do provedor-mor da fazenda, foi por provisão do governador geral Diogo de Mendonça Furtado governar o Maranhão, Bento Maciel o Grão-Pará, e o capitão Luiz Aranha a descobri-lo pelo cabo do Norte por mandado de Sua Majestade

      • Capítulo XXI

        Das fortificações, e outras boas obras, que fez o governador Diogo de Mendonça Furtado na Bahia, e dúvidas, que houve entre eles e o bispo, e outras pessoas

      • Capítulo XXII

        De como os holandeses tomaram a Bahia

      • Capítulo XXIII

        De como o governador Diogo de Mendonça foi preso dos holandeses, e o seu coronel d. João Vandort ficou governando a cidade

      • Capítulo XXIV

        De como o bispo foi eleito do povo por seu capitão-mor enquanto se avisava a Pernambuco a Mathias de Albuquerque, que era governador

      • Capítulo XXV

        De como foi morto o coronel dos holandeses d. João Vandort, e lhe sucedeu Alberto Escutis, e o bispo assentou o seu arraial, e estâncias para os assaltar

      • Capítulo XXVI

        Dos assaltos, que se deram enquanto governou o bispo

      • Capítulo XXVII

        De outros assaltos, que se deram à beira-mar aos holandeses

      • Capítulo XXVIII

        Dos navios, que os holandeses tomaram na Bahia, e o que fizeram da gente que cativaram

      • Capítulo XXIX

        De como Mathias de Albuquerque, depois que recebeu a provisão do governo, tratou do socorro da Bahia, e fortificação de Pernambuco, onde deteve a Francisco Coelho de Carvalho, governador do Maranhão

      • Capítulo XXX

        De como o governador geral Mathias de Albuquerque mandou de Pernambuco por capitão-mor da Bahia a Francisco Nunes Marinho, e da morte do bispo

      • Capítulo XXXI

        Dos encontros, que houve com os holandeses no tempo que governou o nosso arraial o capitão-mor Francisco Nunes Marinho

      • Capítulo XXXII

        De como veio d. Francisco de Moura por mandado de Sua Majestade socorrer a Bahia, e governar o arraial

      • Capítulo XXXIII

        Da morte do coronel Alberto Scutis, e como lhe sucedeu seu irmão Guilhelmo Scutis, e se continuaram os assaltos

      • Capítulo XXXIV

        Da armada que Sua Majestade mandou a socorrer e recuperar a Bahia, e dos fidalgos portugueses que se embarcaram

      • Capítulo XXXV

        Da ajuda de custa, que deram os vassalos de Sua Majestade portugueses para sua armada

      • Capítulo XXXVI

        Como a armada de Portugal veio ao Cabo Verde esperar a real de Espanha, e daí vieram juntas à Bahia

      • Capítulo XXXVII

        De como Salvador Correa, do Rio de Janeiro, e Jerônimo Cavalcanti, de Pernambuco vieram em socorro à Bahia, e o que lhes aconteceu com os holandeses no caminho

      • Capítulo XXXVIII

        Como desembarcaram os da armada, e os holandeses lhes foram dar um assalto a S. Bento, donde se começou a dar a primeira bateria

      • Capítulo XXXIX

        Da segunda bateria, que se fez do mosteiro do Carmo, onde assistiu o general d. Fadrique de Toledo, e outras duas, que dela se derivaram

      • Capítulo XL

        De outras trincheiras, que se fizeram da parte de S. Bento, e como se começaram a dividir os franceses dos holandeses

      • Capítulo XLI

        De como se levantaram os soldados holandeses contra o seu coronel Guilhelmo Scutis, e depondo-o do cargo elegeram outro em seu lugar

      • Capítulo XLII

        De como se entregaram os holandeses a concerto

      • Capítulo XLIII

        De como se tomou entrega da cidade, e despojos: graças, que se deram a Deus pela vitória, e aviso, que se mandou à Espanha

      • Capítulo XLIV

        Da guerra que o governador Mathias de Albuquerque mandou dar ao gentio da Serra da Copaoba, que se rebelou na ocasião dos holandeses

      • Capítulo XLIV ( bis )

        Da armada, que veio de Holanda a Bahia em socorro dos seus, e do mais, que sucedeu até a partida da nossa

      • Capítulo XLVII ( alias XLV)

        Do sucesso da nossa armada para o reino, e dos holandeses para a sua terra

      • Capítulo XLVI

        De como o governador Mathias de Albuquerque mandou buscar a carga de uma nau da Índia, que se perdeu na ilha de Santa Helena

      • Capítulo XLVII

        Dos holandeses, que andavam por esta costa da Bahia até á Paraíba no ano de mil seiscentos e vinte e seis, e da ida do governador Francisco Coelho de Carvalho para o Maranhão

      • Capítulo XLVIII

        De como Diogo Luiz de Oliveira veio governar o Brasil, e se foi seu antecessor Mathias de Albuquerque para o reino