Selecciona una palabra y presiona la tecla d para obtener su definición.
Anterior Indice




ArribaAbajo

De Cantos do ermo e da cidade




ArribaAbajo

Eu amo a noite


ArribaAbajoEu amo a noite quando deixa os montes,
bela, mas bela de um horror sublime,
e sobre a face dos desertos quedos
seu régio selo de mistério imprime.

Amo o sinistro ramalhar dos cedros  5
ao rijo sopro da tormenta infrene,
quando antevendo a inevitável queda
nandam aos ermos um adeus solene.

Amo os penedos escarpados onde
desprende o abutre o prolongado pio,  10
e a voz medonha do caimã disforme
por entre os juncos de lodoso rio.

Amo os lampejos verde-azuis, funéreos,
que às horas mortas erguem-se da terra
e enchem de susto o viajante incauto  15
no cemitério de sombria serra.

Amo o silêncio, os areais extensos,
os vastos brejos e os sertões sem dia,
porque meu seio como a sombra é triste,
porque minh'alma é de ilusões vazia.  20
Amo o furor do vendaval que ruge,
das asas densas sacudindo o estrago,
silvos de balas, turbilhões de fumo,
tribos de corvos em sangrento lago.

Amo as torrentes que da chuva túmidas  25
lançam aos ares um rumor profundo,
depois raivosas, carcomendo as margens,
vão dos abismos pernoitar no fundo.

Amo o pavor das soledades, quando
rolam as rochas da montanha erguida,  30
e o fulvo raio que flameja e tomba
lascando a cruz da solitária ermida.

Amo as perpétuas que os sepulcros ornam,
as rosas brancas desbrochando à lua,
porque na vida não terei mais sonhos,  35
porque minh'alma é de esperanças nua.

Tenho um desejo de descanso, infindo,
negam-me os homens; onde irei achá-lo?
A única fibra que ao prazer ligava-me
senti partir-se ao derradeiro abalo!...  40

Como a criança, do viver nas veigas,
gastei meus dias namorando as flores,
finos espinhos os meus pés rasgaram,
pisei-os ébrio de ilusões e amores.

Cendal espesso me vendava os olhos,  45
doce veneno lhe molhava o nó...
Ai! minha estrela de passadas eras,
Por que tão cedo me deixaste só?

Sem ti, procuro a solidão e as sombras
de um céu toldado de feral caligem,  50
e gasto as horas traduzindo as queixas
que à noite partem da floresta virgem.

Amo a tristeza dos profundos mares,
as águas torvas de ignotos rios,
e as negras rochas que nos plainos zombam  55
da insana fúria dos tufões bravios.

Tenho um deserto de amarguras nalma,
mas nunca a fronte curvarei por terra!...
Ah! tremo às vezes ao tocar nas chagas,
nas vivas chagas que meu peito encerra!  60




ArribaAbajo

A volta



A casa era pequenina...
Não era? Mas tão bonita
que teu seio inda palpita
lembrando dela, não é?

Queres voltar? Eu te sigo;  5
eu amo o ermo profundo...
A paz que foge do mundo
preza os tetos de sapê.

Bem vejo que tens saudades...
Não tens? Pobre passarinho!  10
De teu venturoso ninho
passaste à dura prisão!

Vamos, as matas e os campos
estão cobertos de flores,
tecem mimosos cantores  15
hinos à bela estação.


E tu mais bela que as flores...
Não cores... aos almos cantos
ajuntarás os encantos
de teu gorjeio infantil.  20

Escuta, filha, a estas horas,
que a sombra deixa as alturas,
lá cantam as saracuras
junto aos lagos cor de anil...


Os vaga-lumes em bando  25
correm sobre a relva fria,
enquanto o vento cicia
na sombra dos taquarais...

E os gênios que ali vagueiam,
mirando a casa deserta,  30
repetem de boca aberta:
Acaso não virão mais?


Mas, nós iremos, tu queres,
não é assim? Nós iremos;
mais belos reviveremos  35
os belos sonhos de então.
E, à noite, fechada a porta,
tecendo planos de glórias,
contaremos mil histórias,
sentados junto ao fogão.  40




ArribaAbajo

A despedida



I

ArribaAbajoFilha dos cerros onde o sol se esconde,
onde brame o jaguar e a pomba chora,
são horas de partir, desponta a aurora,
deixa-me que te abrace e que te beije.

Deixa-me que te abrace e que te beije,  5
que sobre o teu meu coração palpite,
e dentro dalma sinta que se agite
quanto tenho de teu impresso nela.

Quanto tenho de teu impresso nela,
risos ingênuos, prantos de criança,  10
e esses tão lindos planos de esperança
que a sós na solidão traçamos juntos.

Que a sós na solidão traçamos juntos,
sedentos de emoções, ébrios de amores,
idólatras da luz e dos fulgores  15
de nossa mãe sublime, a natureza!

De nossa mãe sublime, a natureza,
que nossas almas numa só fundira,
e a inspiração soprara-me na lira
muda, arruinada nos mundanos cantos.  20
Muda, arruinada nos mundanos cantos,
mas hoje bela e rica de harmonias,
banhada ao sol de teus formosos dias,
santificada à luz de teus encantos!


II

Adeus! Adeus! A estrela matutina  25
pelos clarões da aurora deslumbrada
apaga-se no espaço,
a névoa desce sobre os campos úmidos,
erguem-se as flores trêmulas de orvalho
dos vales no regaço.  30

Adeus! Adeus! Sorvendo a aragem fresca,
meu ginete relincha impaciente
e parece chamar-me...
Transpondo em breve o cimo deste monte,
um gesto ainda, e tudo é findo! O mundo  35
depois pode esmagar-me.

Não te queixes de mim, não me crimines,
eu depus a teus pés meus sonhos todos,
tudo o que era sentir!
Os algozes da crença e dos afetos  40
em torno de um cadáver de ora em diante
hão de embalde rugir.

Tu não mais ouvirás os doces versos
que nas várzeas viçosas eu compunha,
ou junto das torrentes;  45
nem teus cabelos mais verás ornados,
como a pagã formosa, de grinaldas
de flores rescendentes.

Verás tão cedo ainda esvaecida,
a mais linda visão de teus desejos,  50
aos látegos da sorte!
Mas eu terei de Tântalo o suplício!
Eu pedirei repouso de mãos postas,
e será surda a morte!

Adeus! Adeus! Não chores, que essas lágrimas  55
coam-me ao coração incandescentes,
qual fundido metal!
Duas vezes na vida não se as vertem!
Enxuga-as, pois; se a dor é necessária,
cumpra-se a lei fatal!  60




ArribaAbajo

Conforto


ArribaAbajoDeixo aos mais homens a tarefa ingrata
de maldizer teu nome desditoso;
por mim nunca o farei:
Como a estrela no céu vejo tu'alma,
e como a estrela que o vulcão não tolda,  5
pura sempre a encontrei.

Dos juízos mortais toda a miséria
nos curtos passos de uma curta vida
também, também sofri,
mas contente no mundo de mim mesmo,  10
menos grande que tu, porém mais forte,
das calúnias me ri.

A turba vil de escândalos faminta,
que das dores alheias se alimenta
e folga sobre o pó,  15
há de soltar um grito de triunfo,
se vir de leve te brilhar nos olhos
uma lágrima só.
Oh! Não chores jamais! A sede imunda,
prantos divinos, prantos de martírio,  20
não devem saciar...
O orgulho é nobre quando a dor o ampara,
e se lágrima verte é funda e vasta,
tão vasta como o mar.

É duro de sofrer, eu sei, o escárnio  25
dos seres mais nojentos que se arrastam
ganindo sobre o chão,
mas a dor majestosa que incendeia
dos eleitos a fronte os vis deslumbra
com seu vivo clarão.  30

Curve-se o ente imbele que, despido
de crenças e firmeza, implora humilde
o arrimo de um senhor,
o espírito que há visto a claridade
rejeita todo o auxílio, rasga as sombras,  35
sublime em seu valor.

Deixa passar a doida caravana,
fica no teu retiro, dorme sem medo,
da consciência à luz;
livres do mundo um dia nos veremos,  40
tem confiança em mim, conheço a senda
que ao repouso conduz.




ArribaAbajo

Visões da noite


ArribaAbajoPassai, tristes fantasmas! O que é feito
das mulheres que amei, gentis e puras?
Umas devoram negras amarguras,
repousam outras em marmóreo leito!

Outras no encalço de fatal proveito  5
buscam à noite as saturnais escuras,
onde, empenhando as murchas formosuras,
ao demônio do ouro rendem preito!

Todas sem mais amor! sem mais paixões!
Mais uma fibra trêmula e sentida!  10
Mais um leve calor nos corações!

Pálidas sombras de ilusão perdida,
minh'alma está deserta de emoções,
passai, passai, não me poupeis a vida!




ArribaAbajo

O canto dos sabiás


ArribaAbajoSerão de mortos anjinhos
o cantar de errantes almas,
dos coqueirais florescentes
a brincar nas verdes palmas,
estas notas maviosas  5
que me fazem suspirar?

São os sabiás que cantam
nas mangueiras do pomar.

Serão os gênios da tarde
que passam sobre as campinas,  10
cingido o colo de opalas
e a cabeça de neblinas,
e fogem, nas harpas de ouro
mansamente a dedilhar?

São os sabiás que cantam...  15
Não vês o sol declinar?

Ou serão talvez as preces
de algum sonhador proscrito,
que vagueia nos desertos,
alma cheia do infinito,  20
pedindo a Deus um consolo
que o mundo não pode dar?

São os sabiás que cantam...
Como está sereno o mar!

Ou, quem sabe? As tristes sombras  25
de quanto amei neste mundo,
que se elevam lacrimosas
de seu túmulo profundo,
e vêm os salmos da morte
no meu desterro entoar?  30

São os sabiás que cantam...
Não gostas de os escutar?

Serás tu, minha saudade?
Tu, meu tesouro de amor?
Tu que às tormentas murchaste  35
da mocidade na flor?
Serás tu? Vem, sê bem-vinda
quero-te ainda escutar!

São os sabiás que cantam
antes da noite baixar.  40

Mas ah! delírio insensato!
Não és tu, sombra adorada!
Não são cânticos de anjinhos,
nem de falange encantada,
passando sobre as campinas  45
nas harpas a dedilhar!

São os sabiás que cantam
nas mangueiras do pomar!




ArribaAbajo

O resplendor do trono


ArribaAbajoQue vale a pompa e o resplendor do trono!
Triste vaidade! O alvergue de um colono
mais encantos encerra e mais doçuras!
De calma consciência à sombra amiga
floresce o riso e o júbilo se abriga,  5
livre de enganos e visões escuras.

Quem não aspira da grandeza aos combros
tem segura a cabeça sobre os ombros,
e a vereda conhece onde caminha;
dorme sem medo, acorda sem pesares,  10
e vê, feliz, a prole junto aos lares
vigorosa estender-se como a vinha.

Sob os dosséis dos sólios a mentira
boceja e o corpo sensual estira
no tapete macio dos degraus...  15
são sempre incertos do reinante os passos!
Ame embora a verdade, ocultos laços
prendem-o cego aos cálculos dos maus!

Oh! Ditoso mil vezes o operário!
ama o trabalho, e o módico salário  20
de prantos nem de sangue está manchado!
Combates não planeja em vasta liça!
Nem das vítimas ouve da injustiça
a queixa amarga e o clamoroso brado!

Não desperta alta noite em sobressalto!  25
Nem dos cuidados ao cruento assalto
sobre o ouro e o cetim geme e delira!
Qual manso arroio sobre a terra corre,
e no meio dos seus tranqüilo morre
como a nota de um canto em branda lira!  30
Não invejeis as pompas das alturas!
O raio deixa os vales e as planuras,
a tempestade preza as serranias!...
Quereis saber da majestade a glória?
Lede nos régios túmulos a história  35
dos soberanos de passados dias!




ArribaAbajo

Em viagem


ArribaAbajoA vida na cidades me enfastia,
enoja-me o tropel das multidões,
o sopro do egoísmo e do interesse
mata-me nalma a flor das ilusões.

Mata-me nalma a flor das ilusões  5
tanta mentira, tão fingido rir,
e cheio e farto de tristeza e tédio
rejeito as glórias de falaz porvir!

Rejeito as glórias de falaz porvir,
galas e festas, o prazer talvez,  10
e busco altivo as solidões profundas
que dormem quedas do Senhor aos pés.

Que dormem quedas do Senhor aos pés,
ao doce brilho dos clarões astrais,
ricas de gozos que não tem o mundo,  15
pródigas sempre de beleza e paz!




ArribaAbajo

A sombra


ArribaAbajoLonge, longe das águas-marinhas,
sobre vastas campinas pousada,
sempre aos raios de um sol resplendente,
se ostentava risonha morada.

Nas planícies que a vista não vence  5
espalhadas pastavam cem reses,
ora junto das fontes tranqüilas,
escondidas no mato outras vezes...

Ao portão, de manhã, reunidas,
meio ocultas no véu da neblina,  10
o senhor esperar pareciam
sempre amigo da luz matutina.

E, depois que seu vulto bondoso
da janela sorrindo as olhava,
se afastavam contentes, pulando  15
sobre a grama que o orvalho banhava.

Quando além das montanhas o dia
apagava seu raio final,
acudindo do amo aos clamores
todo o gado se achava no val.  20

E em torno dele um círculo formando
humildes e silentes,
cada qual por sua vez se adiantando,
vinham lamber o sal que apresentavam
as mãos benevolentes,  25
as mãos benevolentes que adoravam.
e o manso gado as falas lhe entendia
e os tenros bezerrinhos
saltitavam trementes de alegria
a seus meigos carinhos...  30

Talvez sondasse nesses pobres brutos,
sob esses pêlos ríspidos, hirsutos,
um oculto clarão,
raio de encarcerada inteligência,
que a doida, pobre e mísera ciência,  35
trucidando sem pena a criação,
procura sempre, mas procura em vão.

Passaram tempos, e o vaqueiro é morto...
Da velha habitação só muros restam,
e às já despidas, murchas laranjeiras  40
espinheiros entestam.

Sobre montões de pedra as lagartixas
leves se arrastam sobre o musgo vil.
Traidoras vespas nos esteios podres
formaram seu covil.  45

O sol, que outrora derramava em torno
raios de luz, torrentes de alegria,
hoje atira do espaço ao lar deserto
um riso de ironia.

Não mais perfumes pelos ares giram,  50
não mais os ventos suspirando passam,
somente impuro odor, silvo de serpes
no ambiente perpassam.

Parece que ao pairar nesses lugares
todo o seu ódio o estrago sacudira,  55
e o espírito do mal no chão gretado
a saliva cuspira.

Viajor, viajor, não te aproximes
do ermo sítio que o terror marcou,
a mão de Deus talvez ardendo em iras  60
pesada ali tocou.

Porém quando no ocidente
vai baixando o orbe imortal,
as reses sempre constantes
se ajuntam todas no val.  65

E nessa mesma paragem,
onde as chamava o senhor,
talvez do defunto à sombra
reúnem-se ao derredor.

E mugem, mugem debalde,  70
tristonhas cavando o chão,
fitando doridos olhos
no astro rei da amplidão.

Mas o sol não as escuta,
mas o sol caindo vai,  75
imagem de um deus cruento,
cruenta imagem de pai.

E o caminheiro, que ao longe
das serras descendo vem,
não passa perto das ruínas,  80
procura outra senda além.




ArribaAbajo

A lenda do Amazonas


ArribaAbajoQuando vestido de brilhante púrpura
surgia o sol no céu,
deixei a medo os majestosos píncaros
onde habita o condor,
e guardando do frio os seios trêmulos  5
nas dobras do brial,
como errante cegonha ou pomba tímida,
Às planícies voei.
Em meus cabelos ciciavam, lânguidos,
os sopros da manhã,  10
clarões e névoas, iriantes círculos,
giravam-me ao redor...
Mas sobre o leito de tecidos flácidos,
inclinada a sorrir,
deixava-me rolar aos doces cânticos  15
dos gênios do arrebol.
Já perdendo de vista os Andes túrbidos
sobre rochas pousei...
Sobre rochas pousei... as virgens cândidas,
louras filhas do ar,  20
trocaram-me do corpo a etérea túnica
por manto de cristal,
cantaram-me ao ouvido um hino mágico
que falava de amor,
tão meigo e triste como a voz da América  25
em seu berço de luz.
Cingiram-me a cabeça dos mais límpidos
diamantes e rubins;
das borboletas leves e translúcidas
do verde Penamá  30
formaram-me sutil, brilhante séquito;
aspergeram-me os pés
do perfume das flores mais balsâmicas
das savanas sem fim,
e, me apontando da floresta os dédalos  35
pejados de frescor
deram-me abraços mil, ardentes ósculos,
e deixaram-me só...
E deixaram-me só; nos vastos âmbitos
sem rumo, me perdi,  40
meus olhos inundaram-se de lágrimas,
quis aos montes voltar...
Mas o treno saudoso dos espíritos
À minh'alma falou,
e ao grato acento dessas queixas místicas  45
de novo me alentei.
Desci das brenhas pensativa, atônita,
olhos fitos além,
meu manto sobre a rocha um surdo estrépido
desprendia ao roçar...  50
E meus cabelos borrifados, úmidos
de sereno estival,
salpicavam, ao sol, de infindas pérolas
o desnudado chão.
Os velhos cedros com seus ramos ásperos,  55
saudaram-me ao passar,
os cantores das matas, em miríades,
os coqueirais senis
bradaram numa voz: -oh! filha esplêndida
da eterna criação,  60
corre, que ao lado do soberbo tálamo
por ti suspira o mar!...
Ao meio-dia, extenuada, mórbida
pelo intenso calor,
de um mundo ignoto sob a imensa cúpula  65
solitária me achei.
Argênteas fontes, sonorosos zéfiros,
rumores divinais,
grutas de sombra e de frescura próvidas,
multicores dosséis,  70
a cujo abrigo um turbilhão de pássaros
cruzava a trinar
um não sei quê de vago e melancólico,
de infinito talvez,
acenderam-me ao seio a chama insólita  75
de estranha sensação!
Sentei-me ao lado de um rochedo côncavo
e procurei dormir...
e procurei dormir; -as plagas túmidas,
o indizível amor  80
que transudava dos sussurros épicos
dos sombrios pinhais,
em cujas grimpas ramalhavam séculos,
dormia a tradição;
da rola do deserto as flébeis súplicas,  85
a tênue, frouxa luz
coando entre os rasgados espiráculos
desse zimbório audaz
por mil colunas desmarcadas, ríspidas,
sustentado ante o céu,  90
vedaram-me o repouso, e a mente estática.
Em santa reflexão
senti volver-se as cenas de outras épocas.
Ah! que tudo passou!
Como o sol era belo e a terra lúcida!  95
Como era doce a paz!
Da família indiana em noite plácida
junto ao fogo a dançar!
Como era calmo e belo e vivo o júbilo
das filhas de Tupã  100
depondo junto ao fogo os anchos cântaros
e atrás dos colibris
correndo alegres nos relvosos páramos!
E a voz do pescador
sobre as águas plangentes e diáfanas  105
de ameno ribeirão!
E o rápido silvar das setas rápidas
os urros do jaguar,
a volta da caçada, os hinos férvidos
nos festins anuais!  110
Tudo findou-se! A mão cruel, mortífera,
de uma idade feroz
tantas glórias varreu, e nem um dístico
deixou no chão sequer!
Apenas no deserto ermos sarcófagos  115
sem mais cinzas, nem pó,
negras imagens de figuras híbridas,
soltas aqui e ali,
resistem do destino ao rijo látego!...
Mas das eras de então  120
nada revelam no silêncio gélido!...
Meu Deus e meu Senhor!
eu que vi construir-se o imenso pórtico
do edifício imortal,
donde ao vivo luzir dos astros fúlgidos  125
todo o ser rebentou,
eu que pelas planícies inda cálidas
de vosso bafejar,
vi deslizar o Tigre, o Eufrates célebre,
o sagrado Jordão...  130
Eu sem nome, sem glórias e sem pátria,
entre os densos cocais,
ia, bem como as gerações sem número,
absorta escutar
dos santos querubins a voz melódica!...  135
Eu que pobre e sem guia,
pobre e sem guia nos desertos áridos,
teu poder, grande Deus,
pressentia no ar, no céu, nos átomos...
Vi também sob o sol  140
afogarem-se os orbes no crepúsculo
de uma noite fatal,
e à lareira da vida erguer-se impávido
o nada aterrador!
Vi num combate pavoroso e tétrico,  145
torva, escura epopéia,
o fantasma do estrago, a morte esquálida
vencer a criação,
devorar-lhe sem penas as quentes vísceras,
dilacerar sem dó  150
da madre natureza as fibras íntimas!
Vi à luz dos fuzis,
do abutre da tormenta a insana cólera
a floresta cair;
vi negras feras e serpentes pérfidas,  155
demônios de furor,
alastrarem a terra de cadáveres
de pobres animais;
e deste solo de imundícias lúbrico,
também vi se elevar  160
a própria vida de destroços pútridos!...
Meu Deus e meu Senhor,
o que diz esta lei crua e fatídica?...
Sobre o vale da dor,
sobre o vale da dor mirando as nuvens,  165
cismando no porvir,
eu também moça sinto-me decrépita!
Vê-me a aurora nascer,
mas ouve a noite meus cantares fúnebres!
A alvorada outra vez  170
das cinzas de meus restos inda tépidas
rediviva me vê!...
Eu murmurava assim triste e perplexa
cortando a solidão...
As estrelas surgiam belas, nítidas  175
no céu de puro anil,
o bando vagabundo das lucíolas,
rastejando os pauís
derramavam clarões débeis e fátuos
nas plantas ao redor,  180
línguas de fogo verde-azul fosfórico
cruzavam-se no ar...
A terra e os astros num sorrir recíproco
pareciam se unir,
uma para beijar o azul sidéreo,  185
outros para verter
no seio que sofre um doce bálsamo.
A branca lua
pura se erguia na celeste abóbada,
tudo era paz e amor,  190
vozes e saudações, hinos angélicos!
Um tênue, langue véu
senti passar-me pelos olhos ávidos;
um perfume feliz
ungiu-me a fronte de venturas ébria,  195
pensei adormecer!
Mas ah! Quando de novo abri as pálpebras,
reclinado a meus pés,
coroado de espumas e chamas vívidas,
prostrado estava o Mar.  200
Como a noite era bela e a terra lúcida!




ArribaAbajo

Estâncias


ArribaAbajoO que eu adoro em ti não são teus olhos,
teus lindos olhos cheios de mistério,
por cujo brilho os homens deixariam
da terra inteira o mais soberbo império.

O que eu adoro em ti não são teus lábios,  5
onde perpétua juventude mora,
e encerram mais perfumes do que os vales
por entre as pompas festivais da aurora.

O que eu adoro em ti não é teu rosto
perante o qual o marmor descorara,  10
e ao contemplar a esplêndida harmonia
Fídias, o mestre, seu cinzel quebrara.

O que eu adoro em ti não é teu colo,
mais belo que o da esposa israelita,
torre de graças, encantado asilo,  15
aonde o gênio das paixões habita.
O que eu adoro em ti não são teus seios,
alvas pombinhas que dormindo gemem,
e do indiscreto vôo duma abelha
cheias de medo em seu abrigo tremem.  20

O que eu adoro em ti, ouve, é tu'alma,
pura como o sorrir de uma criança,
alheia ao mundo, alheia aos preconceitos,
rica de crenças, rica de esperança.

São as palavras de bondade infinda  25
que sabes murmurar aos que padecem,
os carinhos ingênuos de teus olhos
onde celestes gozos transparecem!...

Um não sei quê de grande, imaculado,
que faz-me estremecer quando tu falas,  30
e eleva-me o pensar além dos mundos
quando, abaixando as pálpebras, te calas.

E por isso em meus sonhos sempre vi-te
entre nuvens de incenso em aras santas,
e das turbas solícitas no meio  35
também contrito hei-te beijado as plantas.

E como és linda assim! Chamas divinas
cercam-te as faces plácidas e belas,
um longo manto pende-te dos ombros
salpicado de nítidas estrelas!  40

Na doida pira de um amor terrestre
pensei sagrar-te o coração demente...
Mas ao mirar-te deslumbrou-me o raio...
tinhas nos olhos o perdão somente!




ArribaAbajo

O arrependimento


ArribaAbajoTens razão: já, soberana,
viste-me curvo a teus pés!
Alma que do mal se ufana,
tarde conheço quem és!
Mas a imagem que eu buscava,  5
por quem meu ser suspirava...
Nem pressentiste sequer,
quando uma fada invocando
me vergava soluçando,
prestava culto à mulher.  10

Tens razão, por grata estrela
tomei teu brilho falaz,
sinistra luz da procela,
círio das horas fatais!
Segui-te através de enganos,  15
cheio de sonhos insanos,
cheio de amor e de afã!
Sombra de arcanjo caído!
Busto inda quente, incendido
pelos beijos de Satã!  20

Na fronte cor de açucena
tinhas brilho sedutor,
mas eras qual essa flor,
cujo perfume envenena!
Tinhas nos olhos brilhantes  25
os reflexos cambiantes
de uma aurora de verão,
mas como a charneca escura
só podridão, lama impura,
guardavas no coração!  30

Na negra esteira dos vícios
que os decaídos formaram,
teus funestos artifícios
iludido me arrojaram!
Amei-te: amar foi perder-me!  35
Foi beijar da terra o verme,
crendo-o Deus da vastidão...
Em vez do sol que buscava,
louco afoguei-me na lava
de medonho, atroz vulcão!  40

Da vida estraguei por ti
das quadras a mais risonha;
mas hoje sinto a peçonha
que nos teus lábios bebi!
Em meio de minha idade  45
tenho nalma a soledade,
na fronte o gelo eternal;
sinto a morte nas artérias,
e ao medir minhas misérias
me orgulho de ser mortal!  50




ArribaAbajo

Enojo


ArribaAbajoVem despontando a aurora, a noite morre,
desperta a mata virgem seus cantores,
medroso o vento no arraial das flores
mil beijos furta e suspirando corre.

Estende a névoa o manto e o val percorre,  5
cruzam-se as borboletas de mil cores,
e as mansas rolas choram seus amores
nas verdes balsas onde o orvalho escorre.
e pouco a pouco se esvaece a bruma,
tudo se alegra à luz do céu risonho  10
e ao flóreo bafo que o sertão perfuma.

Porém minh'alma triste e sem um sonho
murmura, olhando o prado, o rio, a espuma:
-Como isto é pobre, insípido, enfadonho!




ArribaAbajo

O mesmo


ArribaAbajoDesde a quadra mais antiga
de que rezam pergaminhos,
cantam a mesma cantiga
na floresta os passarinhos.

Têm o mesmo aroma as flores,  5
mesma verdura as campinas,
a brisa os mesmos rumores,
mesma leveza as neblinas.

Tem o sol as mesmas luzes,
tem o mar as mesmas vagas,  10
o deserto as mesmas urzes,
a mesma dureza as fragas.

Os mesmos tolos o mundo,
a mulher o mesmo riso,
o sepulcro o mesmo fundo,  15
os homens o mesmo siso.

E neste insípido giro,
neste vôo sempre a esmo,
vale a pena, em seu retiro,
cantar o poeta, mesmo?  20




ArribaAbajo

A um monumento


ArribaAbajoTriste negra vassalagem
do mais baixo servilismo,
negreja no espaço a imagem
consagrada ao despotismo.

E em torno dela agrupados,  5
vergonha de nossa idade!
Estão os vultos sentados
dos filhos da liberdade!

O povo curva-se e passa,
porque não vê a ironia  10
que encerra essa brônzea massa
indigna da luz do dia.

Porque nunca leu a história
das turvas eras passadas,
folhas brilhantes de glória,  15
mas de sangue borrifadas.

Porque não conhece o drama
do mártir que ali morrera,
por zelar a sacra chama
que a liberdade acendera.  20

Pobre turba! Néscia e fátua,
na sua soberania,
beija os pés à fria estátua
que há de esmagá-la algum dia!








Arriba
Anterior Indice